30 março 2016

JUSTIÇA, CORRUPÇÃO E JORNALISMO - Os desafios do nosso tempo

Autores: ANDRÉ VENTURA & MIGUEL FERNANDES
Editora: VIDA ECONÓMICA

Justiça, Corrupção e Jornalismo proporciona ao leitor uma viagem pelos meandros dos grandes casos de corrupção do nosso tempo, fornecendo novos dados e novas perspetivas sobre as negociatas de milhões e as escandalosas tentativas do poder em silenciar a comunicação crítica.
Os autores pegam em factos, lembram casos, abrem caminho para uma reflexão profunda.
Em nome do direito à informação!
Esta obra foi construída sobre um diálogo entre os autores o que a torna um projeto inovador. A intenção é mostrar às pessoas um diálogo franco e aberto entre o mundo da justiça e do jornalismo. Apresentar as diferenças sem máscaras. Encetar a discussão sem meias medidas.

Este livro, que também consideramos de real interesse para o público em geral, apresenta-se como um excelente ponto de partida para um debate aprofundado entre professores e estudantes de comunicação social. Seria mesmo interessante que alguns alunos pegassem em determinados assuntos abordados neste livro, não apenas para reflexão, como para desenvolverem trabalhos de investigação com o objetivo de responder a certos pontos cruciais do jornalismo português.
André Ventura e Miguel Fernandes, ligados ao 'Correio da Manhã' e 'CMTV', dão-nos o ponto de vista do jornalismo e do direito sobre os temas aqui desenvolvidos. Ao longo do livro, mais do que expressarem a própria opinião, os autores apresentam algumas possíveis resoluções para os problemas e condicionamentos que existem no panorama no jornalismo nacional.
Algumas das questões lançadas pelos autores são:
- Qual a relação que os jornalistas devem ter com o segredo de justiça?
- Até que ponto as "fugas de informação" devem continuar a ser o fio condutor de uma investigação jornalística?
- Que tipo de jornalismo devemos ambicionar ter em Portugal?
- Atualmente existe a possibilidade de um jornalista de constituir assistente no processo. Que pode ou deve fazer um profissional com a informação que tem em mãos?
- Outra questão que está relacionada com a divulgação de informação jurídica: a posição dos organismos judiciais em relação à partilha de informação. Faz sentido continuar a ser assim?
- O jornalista deve assumir o papel não só de transmissor de informação, de uma informação que é fidedigna, tratada e confirmada, mas também de análise crítica dessa informação? E que no fundo pode condicionar a sua própria divulgação?
Quase a terminar o livro, os autores partilham com os leitores o estatuto do jornalista e o código deontológico do jornalista.
Tempo ainda para algumas conclusões relevantes no âmbito do que foi debatido ao longo desta obra, onde os autores defendem que "a legislação penal deve prever e incluir no seu rol o crime específico de condicionamentos ou aniquilação da liberdade de comunicação social, punindo igualmente a tentativa"; "a importância da garantia de isenção e imparcialidade dos órgãos de comunicação social"; e ainda o facto de ser "tão importante salvaguardar a liberdade de mercado quanto o pluralismo das fontes que constituem a sociedade de informação", bem como "a necessidade de proteger o jornalista e as fontes de informação".

Podem comprar este livro aqui!

16 março 2016

OS USURPADORES - Como as empresas transnacionais tomam o poder

Autora: SUSAN GEORGE
Editora: BIZÂNCIO

Lobistas ao serviço de uma empresa ou de um sector industrial, presidentes executivos de empresas transnacionais, instâncias quase estatais dotadas de redes tentaculares que se estendem muito para lá das fronteiras nacionais: uma multidão de indivíduos cujo único objectivo é a acumulação de lucros, está a tomar o poder e a orientar em seu benefício as grandes decisões políticas. 
Estes usurpadores ingerem-se nos grandes temas mundiais à força de financiamentos e de trocas de favores, infiltram-se nas Nações Unidas e trabalham para construir um mundo à sua imagem. 

Susan George introduz que "não é apenas a dimensão, a enorme riqueza e os ativos que tornam as ETN (Empresas Transnacionais) perigosas para a democracia. É também a sua concentração e coesão, a sua cooperação entre si e a sua capacidade de influenciar, de se infiltrar, e em certas áreas de se substituir, na prática, aos governos. Atuam como uma verdadeira «autoridade» internacional, determinada a defender os seus interesses comerciais, o seu poder e os seus lucros em detrimento do bem comum".
Neste livro a autora afirma que, na Europa, segundo "estimativas informais" existem entre "10 000 a 15 000 lobistas em contacto permanente com eurodeputados, comissários e outros altos funcionários das direções-gerais". Esses lobistas "têm por missão promover a junk food, os OGM, o tabaco, produtos químicos e medicamentos perigosos, os maiores emissores de gases com efeitos de estufa, os maiores bancos e tudo o mais que as ETN europeias desejem conseguir".
Um facto alarmante é "ignorarmos o número exato de lobistas que operam na Europa, e muito menos o que gastam e a identidade dos seus interlocutores".
A autora realça, também, que "ceder sem a mais pequena hesitação às pressões das empresas e entregar o poder judicial ao setor privado parece não incomodar a Comissão Europeia (nem, obviamente,o governo dos Estados Unidos). Os Estados-Membros da UE e os seus contribuintes terão de pagar os custos dos processos judiciais e as indemnizações atribuídas às empresas que reclamarem ter sido lesadas nos seus lucros devido à interferência de governos eleitos".
Numa tentativa de regulamentar a atividade dos lobistas, Susan George refere que "um registo obrigatório das atividades de lóbi, não apenas a nível europeu mas em cada país, é um objetivo a perseguir até podermos efetivamente controlá-las".
Para conhecerem mais detalhes sobre as atividades lobistas, vale mesmo a pena lerem este livro, onde de uma forma muito direta a autora revela, de facto, como as grandes empresas têm mais poder do que os governos.

Pode comprar este livro aqui!