30 março 2016

JUSTIÇA, CORRUPÇÃO E JORNALISMO - Os desafios do nosso tempo

Autores: ANDRÉ VENTURA & MIGUEL FERNANDES
Editora: VIDA ECONÓMICA

Justiça, Corrupção e Jornalismo proporciona ao leitor uma viagem pelos meandros dos grandes casos de corrupção do nosso tempo, fornecendo novos dados e novas perspetivas sobre as negociatas de milhões e as escandalosas tentativas do poder em silenciar a comunicação crítica.
Os autores pegam em factos, lembram casos, abrem caminho para uma reflexão profunda.
Em nome do direito à informação!
Esta obra foi construída sobre um diálogo entre os autores o que a torna um projeto inovador. A intenção é mostrar às pessoas um diálogo franco e aberto entre o mundo da justiça e do jornalismo. Apresentar as diferenças sem máscaras. Encetar a discussão sem meias medidas.

Este livro, que também consideramos de real interesse para o público em geral, apresenta-se como um excelente ponto de partida para um debate aprofundado entre professores e estudantes de comunicação social. Seria mesmo interessante que alguns alunos pegassem em determinados assuntos abordados neste livro, não apenas para reflexão, como para desenvolverem trabalhos de investigação com o objetivo de responder a certos pontos cruciais do jornalismo português.
André Ventura e Miguel Fernandes, ligados ao 'Correio da Manhã' e 'CMTV', dão-nos o ponto de vista do jornalismo e do direito sobre os temas aqui desenvolvidos. Ao longo do livro, mais do que expressarem a própria opinião, os autores apresentam algumas possíveis resoluções para os problemas e condicionamentos que existem no panorama no jornalismo nacional.
Algumas das questões lançadas pelos autores são:
- Qual a relação que os jornalistas devem ter com o segredo de justiça?
- Até que ponto as "fugas de informação" devem continuar a ser o fio condutor de uma investigação jornalística?
- Que tipo de jornalismo devemos ambicionar ter em Portugal?
- Atualmente existe a possibilidade de um jornalista de constituir assistente no processo. Que pode ou deve fazer um profissional com a informação que tem em mãos?
- Outra questão que está relacionada com a divulgação de informação jurídica: a posição dos organismos judiciais em relação à partilha de informação. Faz sentido continuar a ser assim?
- O jornalista deve assumir o papel não só de transmissor de informação, de uma informação que é fidedigna, tratada e confirmada, mas também de análise crítica dessa informação? E que no fundo pode condicionar a sua própria divulgação?
Quase a terminar o livro, os autores partilham com os leitores o estatuto do jornalista e o código deontológico do jornalista.
Tempo ainda para algumas conclusões relevantes no âmbito do que foi debatido ao longo desta obra, onde os autores defendem que "a legislação penal deve prever e incluir no seu rol o crime específico de condicionamentos ou aniquilação da liberdade de comunicação social, punindo igualmente a tentativa"; "a importância da garantia de isenção e imparcialidade dos órgãos de comunicação social"; e ainda o facto de ser "tão importante salvaguardar a liberdade de mercado quanto o pluralismo das fontes que constituem a sociedade de informação", bem como "a necessidade de proteger o jornalista e as fontes de informação".

Podem comprar este livro aqui!

Nenhum comentário:

Postar um comentário