25 abril 2014

A NEUTRALIDADE PORTUGUESA NO TEMPO DE D. PEDRO II

Autor: ANA LEAL DE FARIA
Editora: ESFERA DO CAOS


As circunstâncias históricas que estruturaram a diplomacia moderna em Portugal proporcionam a análise de um modelo de «diplomacia de guerra», logo abandonado com a assinatura da paz cuja manutenção está subjacente a uma política de neutralidade, que exige habilidade negocial e prestígio. A assinatura da paz luso-castelhana, em 1668, marcou a transição para um período de neutralidade e distanciamento relativamente às questões europeias apenas interrompido, já no final do reinado de D. Pedro II, com a intervenção na Guerra de Sucessão de Espanha. A adesão de Portugal à Grande Aliança de Haia, a 16 de Maio de 1703, assinalou uma inversão da política externa portuguesa, num tempo em que o problema económico pesava cada vez mais na balança das decisões. O Tratado de Methuen, assinado no final desse ano, culminaria três décadas de pressão britânica e abriria uma nova etapa nas relações entre Portugal e Inglaterra.

Desenvolvido no contexto do programa do seminário Guerra e Diplomacia, do Mestrado em História Moderna (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa), este livro tem como pano de fundo o estudo da dimensão externa do Estado, durante um época de aceleramento das relações internacionais. Sendo uma obra pautada por uma exposição objetiva do tema, suportada por uma investigação rigorosa. 
Ana Leal de Faria enquadra bem a baliza temporal sobre a qual este estudo recai - entre o pleno reconhecimento internacional da casa de Bragança, como legítima herdeira do trono de Portugal e o envolvimento de D. Pedro II, como parte interessa na Guerra de Sucessão de Espanha. Por outro lado a autora especifica bem o que entende por neutralidade -  sendo este o conceito chave do trabalho - o conceito de neutralidade com que a autora trabalha significa não tomar partido por nenhuma das partes que se envolvem em discussão, sendo um termo que evoluiu no movimento civilizacional europeu. A neutralidade resulta da soberania para a tomada de decisão, podendo ser gerida conforme as circunstâncias - negociação dos beligerantes com terceiros e destes com cada uma das partes envolvidas em conflito.
São vários os tópicos analisados pela autora - os princípios básicos das relações internacionais nos seculos XVII e XVIII, com destaque para os direitos dinásticos, balança comercial e equilíbrio de poderes. Segue-se a discussão da politica externa de D. Pedro, num período marcado pela generalização da guerra, onde a autora aborda os obstáculos a uma neutralidade ativa, para terminar com o distanciamento de Portugal na fase de paz na Europa. Para além disso, é tratada a politica de casamento da corte portuguesa. O capítulo final do livro evidencia o papel de Portugal durante  a Guerra de Sucessão de Espanha.
Ana Leal de Faria tem estudado as áreas da História Diplomática e Diplomacia, particularmente entre os séculos XVII e inícios do século XIX. Atualmente é Professora na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, tendo já recebido o Prémio Aristides Sousa Mendes e o prémio Gulbenkian de História Moderna e Contemporânea de Portugal, como reconhecimento do trabalho de investigação que tem vindo a realizar.

Saiba mais sobre o livro aqui!

15 abril 2014

O TERCEIRO CHIMPANZÉ: A EVOLUÇÃO E O FUTURO DO ANIMAL HUMANO

Autor: JARED DIAMOND
Editora: TEMAS E DEBATES

Partilhamos noventa e oito por cento do nosso ADN com os chimpanzés. No entanto, somos a espécie dominante no planeta - fundamos civilizações, desenvolvemos intricadas formas de comunicação, aprendemos a ser cientistas, construímos enormes cidades e criamos obras de arte maravilhosas - enquanto as duas espécies de chimpanzés, o comum e o pigmeu, continuam concentrados nas suas necessidades básicas. Porque é que esses dois por cento criaram uma divergência tão grande entre três espécies tão próximas? Nesta obra fascinante, o vencedor do Pulitzer Jared Diamond explica-nos como o animal humano, em tão pouco tempo, desenvolveu a capacidade de dominar o mundo… e os meios para o poder destruir. Um livro brilhante, que nos volta a colocar no lugar mais apropriado, longe do antropocentrismo em que costumamos viver. Porque nós somos apenas  «O Terceiro Chimpanzé».

«O Terceiro Chimpanzé» é um livro estimulante que vai abalar algumas das ideias preconcebidas que temos sobre nós mesmos, como humanos. O objetivo de Jared Diamond com este trabalho é demonstrar que apesar de os humanos apresentarem qualidades singulares, que nos demarcam das restantes espécies e que colocam em risco a nossa sobrevivência, apenas a compreensão da nossa natureza pode ajudar a moldar o nosso comportamento.
O autor salienta que os nossos problemas estão estritamente relacionados com a nossa ascendência animal. Jared Diamond explica que os mesmos problemas podem ser encontrados em várias outras espécies, sendo por nós ampliados, pelo nosso crescente domínio tecnológico e aumento demográfico a um ritmo acelerado. Assim, ao longo do texto são colocados em perspectiva os comportamentos dos humanos e de outras espécies, para ajudar a perceber "o terceiro chimpanzé".
O livro conta a historia da nossa ascensão e queda. Começa por recuar muito no tempo, até às nossas origens, com uma abordagem à tradição arqueológica e aos dados recentes da biologia molecular. Estes dois ramos científicos são os que mais pistas fornecem sobre a evolução humana e o que nos levou a separar dos nossos mais próximos parentes do reino animal – O Grande Salto em Frente. A segunda parte avalia as mudanças do ciclo da vida humana: a evolução da sexualidade humana, a ciência do adultério, a escolha de parceiros sexuais, a origem das raças humanas e, ainda, por que envelhecemos e morremos.
Para além disso, o autor discute o que consideramos que nos afasta definitivamente dos animais, com destaque para as nossas características culturais, a língua, a arte, a tecnologia e a agricultura. Após este ponto são tratadas as características que podem ditar o fim da nossa espécie, como a xenofobia e o isolamento extremo, sendo feito um estudo sobre a história mundial registada sobre o extermínio xenófobo em massa – segundo o autor, a recusa em enfrentar a nossa história condena-nos a repetir os erros do passado numa escala mais perigosa. Por fim são apresentados argumentos sobre como estamos a reverter o progresso alcançado num período de tempo muito mais rápido.

Pode comprar o livro aqui!

05 abril 2014

O FIM DA URSS: A NOVA RÚSSIA E A CRISE DAS ESQUERDAS

Coordenação: PEDRO AIRES DE OLIVEIRA
Editora: EDIÇÕES COLIBRI

O Curso Livre de História Contemporânea, fruto de uma parceria que a Fundação Mário Soares e o Instituto de História Contemporânea têm mantido desde 1997, teve a sua XI edição em finais de Novembro de 2011 na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, subordinado ao tema «O Fim da URSS, Vinte Anos Depois».O seu propósito foi o de realizar um balanço histórico da derrocada da União Soviética e do modelo socialista que esta encarnava e, ao mesmo tempo, promover uma reflexão acerca das vastas repercussões políticas, estratégicas e ideológicas resultantes desse acontecimento, contando para isso com o contributo de um conjunto de reputados analistas e investigadores da área da história, da ciência política, das Relações Internacionais e estudos de segurança. O livro agora editado reúne as principais comunicações aí apresentadas.

Tendo em conta os recentes acontecimentos a leste, este livro surge como uma referência para perceber o clima de tensão entre a Rússia e a Ucrânia, com óbvias consequências nas relações internacionais da Rússia.
Pedro Aires de Oliveira explica que a queda da URSS ficou a dever-se principalmente à derrocada interna do partido comunista, incapaz de suportar o peso  deste "gigante", e não tanto à pressão externa, fugindo à interpretação mais imediata da "vitória do Ocidente". A queda da União Soviética e as suas consequências são avaliadas por David Priestland.
Em seguida são apresentados trabalhos da autoria de Carlos Gaspar, Maria Raquel Freire e Sandra Fernandes que se focam na transição da URSS para a Rússia pós-comunista, com base na orientação estratégica e a ambiguidade identitária russa, ou seja a difícil gestão da Rússia no equilíbrio da sua identidade euro-asiática.
A relação da Rússia com os países mais próximos é também exaustivamente analisada, nomeadamente a vontade de exercer influência sobre os mesmos, que advém do histórico orgulho imperial russo ferido após a queda da URSS. Exemplo disso é a relação com a Ucrânia, em que a aproximação desta à União Europeia pode ser vista como uma ameaça ao poder russo.
António José Telo e Tiago Moreira de Sá discutem as consequências geopolíticas e os seus efeitos na configuração do sistema internacional após a queda da URSS. Destaque, ainda, para a sempre sensível relação da Rússia com a União Europeia num texto de Luís Lobo-Fernandes, ficando a implosão da URSS e a União Europeia a cargo de Patrícia Daehnhardt.

Pode comprar o livro aqui!

03 abril 2014

VIVER NA SOCIEDADE DIGITAL: Tecnologias Digitais, Novas Práticas e Mudanças Sociais


Autora: PATRÍCIA DIAS
Editora: PRINCÍPIA

«Quando vejo o meu filho de dois anos deitar fora o livro que lhe propus que lesse antes de dormir, em fúria porque, depois de tocar nas páginas, nada aconteceu, ao contrário dos tablets que tanto atraem a sua atenção e que a irmã de cinco anos domina com maior perfeição do que o papá e a mamã, parece-me evidente que a sociedade contemporânea e as tecnologias digitais são indissociáveis. Esta relação foi o ponto de partida para uma investigação aprofundada sobre as principais características da sociedade em que vivemos, e que são, em grande medida, moldadas pelas tecnologias que a indústria nos propõe, mas também pelo modo como escolhemos usá-las em função das nossas necessidades e preferências. Este livro procura abarcar toda a complexidade da sociedade contemporânea concebendo-a como um prisma e explorando as suas diferentes facetas, descrevendo como é comunicar (e viver) na era digital.»

"6:30 - toca o despertador (...) 7:30 - nada como um bom duche depois de ler alguma notícias interessantes que consegui encontrar nas 60 páginas do jornal. (...) Hoje estava um trânsito infernal, mas às 9:30 chego ao escritório. Boas notícias: o contrato deve chegar pelo correio para ser assinado na próxima semana, e o projeto poderá começar daqui a um mês. À hora de almoço, vou comprar bilhetes para o teatro".
"8:00 - hora de acordar ao som de mais uma música nova, escolhida pelo meu telefone de acordo com as minhas preferências. O pão encomendado pela Internet já chegou e já tenho as minhas notícias prontas no flipboard. (...) Ainda bem que o GPS me avisou sobre o trânsito. Consegui chegar ao escritório às 9:00, bem a tempo da reunião com os nossos colegas de Dhaka, às 9:30. A videochamada correu bem e o novo projeto vai mesmo avançar. Graça ao cartão de cidadão consigo assinar o contrato e a equipa estará pronta a começar daqui a duas horas. Enquanto troco algumas impressões com um colegas acerca deste sucesso, digo ao meu telefone para comprar dois bilhetes para o teatro".
25 anos separam estas duas citações, e este é o mote para este livro que se debruça sobre as relações entre «tecnologia e sociedade», levantando duas questões essenciais: como é a sociedade em que vivemos? Como são as tecnologias que utilizamos? 
Seguem-se «as facetas da sociedade contemporânea», onde se encontra a figura do prisma como representação dos impactos das tecnologias digitais, tanto a nível individual como social. «Uma revolução tecnológica», «mudanças sociais profundas», «uma sociedade global», «imersão digital e cognição» e «uma nova forma de interação social e de comunicação» são os pontos que se seguem nesta leitura.
Patrícia Dias destaca ainda "a necessidade de consciencialização relativamente aos efeitos individuais e sociais das tecnologias individuais e sociais das tecnologias digitais, condição sine qua non de uma utilização positiva e responsável".

Pode comprar o livro aqui!

02 abril 2014

JUDEUS ILUSTRES DE PORTUGAL

Autora: MIRIAM ASSOR

Numa extraordinária viagem do século XV ao século XX, as vidas destes 14 homens e mulheres ilustres da nossa História renascem pela mão da jornalista Miriam Assor, que nos conta como de formas variadas, cada um deles contribuiu, enriqueceu, dignificou e honrou o país, marcando terminantemente o universo histórico-nacional e além-fronteiras. Da Medicina à Filosofia, da Ciência ao sector pioneiro empresarial, da Poesia litúrgica a autoridades rabínicas, da Música à Matemática, da Literatura à liderança comunitária. Foram humanistas, homens e mulheres corajosos que optaram por actuar ao serviço do próximo, colocando, muitas vezes, as suas próprias vidas em risco ou num último plano. 

Neste livro conheça a história de Isaac Aboab da Fonseca, 'o rabino poeta de Amesterdão'; Moses Bensabat Amzalak, 'o líder diligente'; Sam Levy, 'o homem de concordâncias'; Isaac Cardoso, 'o médico português do rei espanhol'; Samuel Sequerra e Joel Sequerra, 'os corajosos irmãos gémeos'; Garcia de Orta, 'o fascinante percurso do naturismo'; Amato Lusitano, 'o amado doutor lusitano'; Dona Grácia Naci, 'a grande senhora'; Alain Oulman, 'o compositor de afetos'; Pedro Nunes, 'o maior matemático do mundo'; Alfredo Bensaude e Matilde Bensaude, 'a ciência entre gerações' e, por fim, Rabino Abraham Assor.
Isaac Aboab da Fonseca fugiu da Inquisição para a Holanda, vindo a tornar-se no primeiro rabino no Novo Mundo, durante o tempo em que os holandeses ocuparam o nordeste do Brasil. O catedrático Moses Bensabat Amzalak, por sua vez, foi presidente da Academia de Ciências de Lisboa e dirigente da Comunidade Israelita de Lisboa durante mais de 50 anos, lutando para que os judeus fossem acolhidos em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial. Já Sam Levy, entre outros feitos relevantes, traduziu a epopeia de Luís Vaz de Camões para francês. Isaac Cardoso, foi uma personalidade de vulto no século XVI, atravessando diversas áreas do saber. Quanto a Samuel e Joel Sequerra, estes foram responsáveis por salvar judeus refugiados do nazismo na Espanha de Franco. Conheça também os motivos que levaram a Inquisição a punir por auto de fé e a queimar as ossadas do ilustre Garcia de Orta. Outra das personalidades é o médico Amato Lusitano, que fugido da Inquisição curou papas e famoso em Itália. Dona Grácia Naci, vanguardista da globalização da economia que tentou construir uma pátria judaica em Tiberíades. Engenheiro, apaixonado pela literatura, música e causas, Alain Oulman contribuiu para a transformação do fado ao lado de Amália Rodrigues. Pedro Nunes destacou-se no âmbito da geometria e da matemática no período dos Descobrimentos. Pai e filha, Alfredo e Matilde Bensaude, marcaram a ciência portuguesa. 
O último destaque do livro vai para o pai da autora, Rabino Abraham Assor, figura que durante cinquenta anos liderou espiritualmente a Comunidade Israelita de Lisboa.

Mais informações sobre o livro aqui!