25 abril 2014

A NEUTRALIDADE PORTUGUESA NO TEMPO DE D. PEDRO II

Autor: ANA LEAL DE FARIA
Editora: ESFERA DO CAOS


As circunstâncias históricas que estruturaram a diplomacia moderna em Portugal proporcionam a análise de um modelo de «diplomacia de guerra», logo abandonado com a assinatura da paz cuja manutenção está subjacente a uma política de neutralidade, que exige habilidade negocial e prestígio. A assinatura da paz luso-castelhana, em 1668, marcou a transição para um período de neutralidade e distanciamento relativamente às questões europeias apenas interrompido, já no final do reinado de D. Pedro II, com a intervenção na Guerra de Sucessão de Espanha. A adesão de Portugal à Grande Aliança de Haia, a 16 de Maio de 1703, assinalou uma inversão da política externa portuguesa, num tempo em que o problema económico pesava cada vez mais na balança das decisões. O Tratado de Methuen, assinado no final desse ano, culminaria três décadas de pressão britânica e abriria uma nova etapa nas relações entre Portugal e Inglaterra.

Desenvolvido no contexto do programa do seminário Guerra e Diplomacia, do Mestrado em História Moderna (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa), este livro tem como pano de fundo o estudo da dimensão externa do Estado, durante um época de aceleramento das relações internacionais. Sendo uma obra pautada por uma exposição objetiva do tema, suportada por uma investigação rigorosa. 
Ana Leal de Faria enquadra bem a baliza temporal sobre a qual este estudo recai - entre o pleno reconhecimento internacional da casa de Bragança, como legítima herdeira do trono de Portugal e o envolvimento de D. Pedro II, como parte interessa na Guerra de Sucessão de Espanha. Por outro lado a autora especifica bem o que entende por neutralidade -  sendo este o conceito chave do trabalho - o conceito de neutralidade com que a autora trabalha significa não tomar partido por nenhuma das partes que se envolvem em discussão, sendo um termo que evoluiu no movimento civilizacional europeu. A neutralidade resulta da soberania para a tomada de decisão, podendo ser gerida conforme as circunstâncias - negociação dos beligerantes com terceiros e destes com cada uma das partes envolvidas em conflito.
São vários os tópicos analisados pela autora - os princípios básicos das relações internacionais nos seculos XVII e XVIII, com destaque para os direitos dinásticos, balança comercial e equilíbrio de poderes. Segue-se a discussão da politica externa de D. Pedro, num período marcado pela generalização da guerra, onde a autora aborda os obstáculos a uma neutralidade ativa, para terminar com o distanciamento de Portugal na fase de paz na Europa. Para além disso, é tratada a politica de casamento da corte portuguesa. O capítulo final do livro evidencia o papel de Portugal durante  a Guerra de Sucessão de Espanha.
Ana Leal de Faria tem estudado as áreas da História Diplomática e Diplomacia, particularmente entre os séculos XVII e inícios do século XIX. Atualmente é Professora na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, tendo já recebido o Prémio Aristides Sousa Mendes e o prémio Gulbenkian de História Moderna e Contemporânea de Portugal, como reconhecimento do trabalho de investigação que tem vindo a realizar.

Saiba mais sobre o livro aqui!

Nenhum comentário:

Postar um comentário